Pesquisas de Londres que inspiram o DATA SIM


 

Londres vem se destacando no cenário mundial em função do tratamento dado à sua vida noturna.

 

A página na internet da prefeitura de Londres tem uma área inteiramente dedicada à música. Nela constam seis grandes linhas de ação, e algumas já vinham sendo desenvolvidas antes mesmo da eleição de Sadiq Khan em 2016, prefeito que deu novo impulso às iniciativas em andamento.

Em 2015 foi lançada a campanha Sounds Like London, de apoio à cena musical londrina, a partir da identificação de que, desde 2007, houve uma queda de 35% no número de locais dedicados à musica ao vivo, o que reduziu as oportunidades de novos e emergentes talentos. Também foi lançada outra campanha chamada Supporting London’s Grassroots Music Scene para promover os locais de “música de base” e sua herança musical, que incluiu uma programação especial de um mês com shows e eventos especiais, além de uma força tarefa para descobrir por que tantos locais de música haviam fechado e que impacto isso estava tendo na cultura e na economia de Londres. Desse esforço resultou um Plano de Resgate para os Locais de Música de Base de Londres, lançado em outubro de 2015, que incluiu um pacote de medidas para resolver problemas de planejamento, licenciamento, taxas de negócios, promoção e turismo musical. O relatório do Plano de Resgate para os Locais de Música de Base também pediu a criação de novos locais e campanhas de promoção para aproveitar os benefícios do boom do turismo em Londres.

Em Abril de 2016, pouco antes da eleição de Sadiq Khan, foi criado um Conselho de Música de Londres, para contribuir com a missão de proteger os locais de música de base e apoiar o cenário musical de Londres. O Conselho não se assemelha aos conselhos participativos que temos no Brasil. Ele é uma coalizão influente da indústria da música, do setor de educação musical, do setor de música da comunidade, das autoridades locais e dos órgãos de turismo. Pela primeira vez, esses grupos trabalharam para atingir metas compartilhadas para a indústria da música. A Missão do Conselho é não só proteger como patrocinar o cenário musical de Londres, promover música e reafirmar a posição de Londres como a principal cidade de música do mundo. Londres não tomou para si a responsabilidade de sozinho proteger o setor, mas atuou na coordenação e na promoção de cooperação entre setores diversos, procurando sinergias e interesses em comum para encaminhar uma ação estruturante, em que outros agentes também assumem protagonismo no cumprimento dos objetivos da política cultural. 

Dando continuidade às ações em andamento, a gestão de Sadiq Khan atualizou o Plano de Resgate de 2015, e a nova edição do relatório foi publicada em janeiro de 2017. O Novo Plano de Resgate para os Locais de Música de Base define os elementos necessários para que um local seja reconhecido como venue. Além disso retoma as 6 diretrizes do plano anterior (planejamento; desenvolvimento; custos de funcionamento; licenciamento, policiamento e saúde ambiental; promoção de locais; turismo musical) e informa qual o progresso em cada uma delas nos últimos dois anos.

Além disso, e complementando o Novo Plano, foi encomendada uma pesquisa a uma consultoria internacional com sede no Canadá especializada em avaliação econômica para as indústrias criativas, com o objetivo de reavaliar a situação das casas noturnas dedicadas à música ao vivo (venues). A pesquisa foi publicada em abril de 2017. Intitulada Analysis of the impact of business rates revaluation on grassroots music venues in London (ou Análise do Impacto da Reavaliação das Taxas de Negócios em Locais de Música de Base em Londres), a pesquisa fez nova avaliação sobre aumento dos custos de funcionamento das casas noturnas nesse novo contexto de 2017, incluindo uma análise sobre os riscos impostos às casas e do impacto que esses novos custos poderiam causar à economia local. Os resultados foram sistematizados em 5 eixos:

_ por que os locais de música de base são importantes para Londres;

_ qual será o impacto da reavaliação dos custos de funcionamento dos locais de música de base;

_ o que corre o risco de ser perdido;

_ como os locais de música de Londres vão responder;

_ e o que pode ser feito para ajudar a resolver esta crise.

 

Os resultados mostraram que um quinto dos 94 locais de música de Londres em 2016 (cerca de 21 locais) pode ser forçado a fechar devido a aumentos das taxas de funcionamento, que foram avaliados na casa dos 26%. Mais 18 desses 94 locais deverão enfrentar desafios financeiros significativos. Eles terão que aumentar seus preços de ingressos e bebidas em 4,1% para cobrir os custos de operação, sendo que 45% desses locais não têm condições de sobreviver se repassarem tais custos ao consumidor. Estes 39 locais em “alto e médio risco” representam até 530 empregos diretos e geram até 21,5 milhões de libras para a economia de Londres. Além disso, outros 23 locais correm o risco de ter que reduzir o número de novos artistas, optando, em vez disso, por colocar artistas mais estabelecidos e “seguros” que geram vendas mais altas (grupo em “risco de talentos”). Juntos, esses locais de música representam pelo menos 14.000 oportunidades de shows por ano para artistas emergentes, e têm um efeito indireto para a indústria da música como um todo, reduzindo as oportunidades de novos e emergentes talentos em Londres. (Talentos como o de Amy Winehouse, por exemplo, cuja trajetória esteve intimamente relacionada à noite londrina, talvez não tivessem alcançado projeção internacional num cenário como este). Apenas um terço dos locais estaria num grupo de “baixo risco”. A pesquisa, portanto, teve o mérito de dar um diagnóstico preciso para um plano de ação, além de demonstrar em números porque a indústria da música, especialmente as gravadoras, deve apoiar a patrocinar a cena musical noturna ao vivo. Ou seja, ela comprovou que há sinergias entre as partes interessadas, justificando a parceria entre estado e mercado.

Complementarmente foi feito um Mapa dos espaços musicais de Londres – o London Music Facilities. Ao todo foram mapeadas 1764 “facilities”, abrangendo não apenas os venues mas também estúdios, lojas e outras empresas do setor. O mapa captura o contexto mais amplo dos negócios da música, como escritórios, varejo de instrumentos e equipamentos, selos, gestores, editores e manufatura. Há também a possibilidade de a comunidade adicionar locais e instalações que conheçam.

Para acompanhar todo esse processo de resgate da vida noturna de Londres, o prefeito criou a Comissão da Noite de Londres, cujo objetivo principal é o de ajudar a cidade a perceber sua visão como uma cidade 24 horas. A Comissão é heterogênea, e vai tentar entender como é a vida em Londres entre as 6 da tarde e as 6 da manhã. Eles consultarão moradores de Londres, além de trabalhadores noturnos, público da noite, empresas, grupos comunitários, organizações do setor público e visitantes da capital. Eles querem saber como tornar Londres melhor para todos à noite. Eles apresentarão um relatório no final de 2018 e recomendarão como Londres pode se tornar uma das cidades noturnas mais inovadoras do mundo. As atas das reuniões realizadas constam no site. Esta última iniciativa mostra a importância de se trabalhar com princípios bem definidos, que deram forma ao documento De boa noite para ótima noite: uma visão para Londres como cidade 24horas. Ao todo são 10 princípios que constituem essa visão:

1. Ser uma cidade líder

2. Proporcionar oportunidades vibrantes para todos os londrinos, independentemente da idade, deficiência, gênero, identidade de gênero, raça, religião, orientação sexual ou meios

3. Promover todas as formas de cultura, atividade de lazer, varejo e serviços

4. Promover a segurança e o bem-estar de moradores, trabalhadores e visitantes

5. Promover acolhimento e vida noturna acessível

6. Promover e proteger o investimento, atividade e empreendedorismo

7. Promover o turismo nacional e internacional de visitas a Londres

8. Estar a estrategicamente localizado para promover oportunidade e minimizar o impacto

9. Tornar-se uma cidade de 24 horas que suporta estilos de vida flexíveis

10. Ter em conta o futuro global e tendências domésticas no lazer, migração, tecnologia, emprego e economia.

 

O documento é importante não apenas porque estabelece princípios para o planejamento. Ele é importante principalmente porque comunica ao conjunto da sociedade o que será feito, e, sobretudo, por quê será feito: não para privilegiar o “barulho” em detrimento do “silêncio”, mas para acomodar essas duas legítimas demandas de maneira equilibrada. Ao compartilhar sua visão e comunicar que ela exigirá adaptações na mentalidade dos indivíduos e na infraestrutura tanto de edifícios residenciais como de estabelecimentos noturnos, o prefeito criou uma atmosfera de previsibilidade sobre as mudanças que estão por vir, ganhando adesões de “indecisos” de ambos os “lados” e facilitando a transição para a estruturação da cidade 24horas. Comunicar que o Plano de Resgate não é uma ação dirigida apenas aos bares e casas noturnas, mas sim visando a melhoria da vida cultural da cidade e de seu posicionamento global, fez toda a diferença para a conquista dessas adesões. O uso de palavras como “segurança”, “bem estar”, “acolhimento” e de termos como “amenizar o impacto” transmite a ideia de que há uma preocupação com a comunidade, e não apenas com a economia. Este é um exemplo de como os princípios e sua adequada comunicação ao conjunto da sociedade são relevantes para o desenho de políticas culturais. Eles não apenas conferem organicidade às ações como também atuam fortemente na camada cognitiva da sociedade, fazendo com que os cidadãos passem a desejar a mudança ao invés de aceita-la como uma arbitrariedade. A Comissão da Noite também tem forte papel nesse sentido: é ela quem vai registrar e efetivamente encaminhar os incômodos que surgirem durante a transição, sinalizando que os “descontentes” não estarão desamparados pelo poder público durante o processo.

O Reino Unido conta ainda com a iniciativa Music Venues Trust, entidade criada em 2014 que atua para proteger, proteger e melhorar os Espaços de Música britânicos.

 

ACESSE OS DOCUMENTOS AQUI:

Plano de Resgate para os Locais de Música de Base (2015)

Novo Plano de Resgate para os Locais de Música de Base (2017)

Analysis of the impact of business rates revaluation on grassroots music venues in London (ou Análise do Impacto da Reavaliação das Taxas de Negócios em Locais de Música de Base em Londres) (2017)

De boa noite para ótima noite: uma visão para Londres como cidade 24horas (2017)

 

ACESSE O MAPA AQUI:

London Music Facilities

visite a sim são paulo